Tire suas dúvidas sobre farmácia de manipulação e conheça uma farmácia modelo

Tire suas dúvidas sobre farmácia de manipulação e conheça uma farmácia modelo

Você já usou o serviço de uma farmácia de manipulação antes? Consegue reconhecer alguma delas e identificar quais são as melhores do mercado? Usar os serviços de um estabelecimento renomado é fundamental para evitar problemas, como atraso na entrega dos produtos e erros nas fórmulas que possam comprometer a saúde do paciente.
Na farmácia de manipulação são preparadas as fórmulas indicadas pelos profissionais de saúde habilitados, sempre de uma maneira personalizada para cada um dos usuários. Isso significa que o produto manipulado foi preparado para uma determinada pessoa, por indicação do médico, dentista, nutricionista ou farmacêutico. Cada produto é único.
Você quer entender um pouco mais sobre como funcionam as farmácias de manipulação e aprender mais sobre os medicamentos manipulados? Então, fique por aqui e continue a leitura!

O que são medicamentos manipulados?

Os medicamentos manipulados são aqueles produzidos a partir de fórmulas padronizadas e reconhecidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou a partir da indicação de um profissional da área médica para um paciente.
Esse tipo de remédio pode ter distintas finalidades, desde o tratamento de doenças, passando para o uso com fins de estética e, até mesmo, para suplementação alimentar.
Na manipulação, existe também a possibilidade de combinar princípios ativos. Além disso, o paciente tem a liberdade de poder escolher de que forma quer tomar o medicamento: pode ser em cápsulas, em comprimidos, em shakes, em sachês, entre outros.
Nos anos 80, com a chegada ao Brasil das multinacionais na área da indústria de fármacos, a manipulação de medicamentos foi bastante reduzida. Atualmente, no entanto, essa linha do setor farmacêutico voltou a crescer. Isso ocorreu muito em decorrência da credibilidade conquistada junto à classe médica e à forte regulamentação por parte dos órgãos competentes.

O que pode ser manipulado?

Farmácia de manipulação
Quase todos os medicamentos e suplementos que você encontra expostos nas estantes de uma drogaria podem ser manipulados. Poucos são aqueles produtos que não podem ser preparados na farmácia de manipulação, mas existem.
Formalmente, não podem ser manipuladas as associações entre anorexígenos (medicamentos para emagrecer) e anfetaminas ou fitoterápicos. Por sua vez, alguns autores consideram que determinados antidepressivos, ansiolíticos e anti-hipertensivos não deveriam ser manipulados também, pois a maneira industrial de como são produzidos pode influir na adequação ao tratamento.

Quais as vantagens da manipulação?

farmácia de manipulação
A primeira vantagem da manipulação é a personalização, isto é, o produto é preparado em função da necessidade específica de cada usuário. É um medicamento único.
Quando um médico receita ao paciente uma fórmula magistral (como também é conhecido o medicamento manipulado) o paciente passa, automaticamente, a receber uma atenção diferenciada. Isso porque esse medicamento será único, produzido em dose certa e quantidade restrita, exatamente como foi determinado pelo médico para um tratamento específico de um paciente.
Os medicamentos industrializados, por sua vez, são produzidos nas grandes fábricas em largas quantidades. Eles levam em consideração a dosagem e a concentração de ativos que são padronizadas, de modo a serem consumidos por um grande número de pacientes. O que, em muitos casos, pode não atender à necessidade do indivíduo.
Outra vantagem da manipulação é a possibilidade de associação de mais de um medicamento ou suplemento no mesmo produto. Isso é importante em determinados tratamentos que requerem várias substâncias que possam ser usadas juntas para maior eficácia. Esse fato, evidentemente, evita o desperdício, uma vez que o produto é feito na quantidade necessária para o uso da pessoa por um certo período de tempo.
Um aspecto não menos importante e que deve ser levado em conta é o custo. O medicamento manipulado, quase sempre, é mais barato do que o congênere industrializado. Segundo dados do Governo Federal, os medicamentos oriundos de manipulação são até 20% mais baratos que os produzidos de maneira industrial.
A farmácia de manipulação permite ainda que você obtenha um produto ou medicamento que pode não estar disponível no mercado, mais uma característica da personalização. Se a matéria-prima estiver disponível no país, a manipulação pode ser efetuada sem problema algum.
Dentre as tantas vantagens, é importante frisar ainda que os medicamentos manipulados servem como obstáculo para a automedicação, que, atualmente, é causa de muitas reações alérgicas e pode resultar até mesmo na piora de quadros clínicos dos pacientes.
Os medicamentos manipulados são comercializados unicamente por meio de prescrição médica e a presença efetiva do profissional farmacêutico na elaboração da droga representa fundamental garantia ao uso racional do medicamento, sem excessos.

Como é garantida a qualidade numa farmácia de manipulação?

farmácia de manipulação
Uma farmácia de manipulação, para se estabelecer de modo regular, deve seguir inúmeros protocolos e atender a um grande número de normas legais exigíveis e fiscalizadas. Caso contrário, ela não poderá operar.
Por sua vez, a matéria-prima utilizada para a manipulação dos produtos deve estar sempre acompanhada de laudo de análise que garanta a qualidade e procedência. Isso também permite a rastreabilidade da substância usada. A qualificação dos fornecedores é um dos princípios seguidos nesse caso para garantir a regularidade do negócio.
Além disso, todo estabelecimento deve garantir a qualidade e a segurança, assim como a efetividade das fórmulas manipuladas pelos profissionais. De modo geral, o atendimento aos seguintes aspectos garante a qualidade de uma farmácia de manipulação:

  • cumprimento das Boas Práticas de Manipulação;

  • qualificação dos fornecedores;

  • adequação do laboratório de manipulação da farmácia;

  • precisão na recepção e identificação da matéria-prima usada;

  • adoção de procedimento para análise da matéria-prima;

  • controle de qualidade dos produtos manipulados;

  • gestão de estoque correta.

O que não pode faltar na gestão de uma farmácia de manipulação?

A gestão nas farmácias de manipulação é um assunto chave entre os empreendedores desse ramo que desejam se firmar no mercado como uma marca reconhecida. Isso porque, em um setor que se desenvolveu tanto, é necessário se manter antenado aos fatores que geram crescimento, para que ele seja constante. Vejamos a seguir alguns dos itens primordiais que não podem faltar a um gestor de farmácias de manipulação.

Planejamento do espaço físico

O espaço físico em uma farmácia é um item fundamental, pois há inúmeros protocolos de operação para que o estabelecimento esteja em conformidade com as exigências dos órgãos de vistoria competentes.
Dentre os cuidados a serem tomados, o mais importante é o de jamais acondicionar medicamentos e insumos próximos ao chão ou à parede. Além disso, é necessário manter uma distância razoável entre as embalagens a fim de evitar o acúmulo de umidade. Manter as substâncias e medicamentos em condições ideais é fundamental.

Gestão do estoque

Obviamente, gerir o estoque é primordial para o sucesso do negócio. Drogarias que não têm controle sobre seu estoque de medicamentos acabam por vender muito menos do que poderiam ou, no mínimo, acabam por sofrer perdas significativas em decorrência desse fato. Inclusive perdas monetárias.
Por esse motivo, é essencial fazer um levantamento sobre a “saída” de cada produto. Dessa maneira, as demandas de cargas de medicamentos serão direcionadas àqueles que têm maior apelo. O gestor vai direcionar os seus pedidos aos fornecedores conforme a quantidade que se deseja. Ter um bom sistema de informática para guardar todos esses dados pode fazer a diferença ser mais eficaz e poupar tempo.

Marketing

farmácia de manipulação
Aqui chegamos, provavelmente, em um dos mais importantes tópicos da gestão de uma farmácia de manipulação. Desenvolver estratégias de marketing é fundamental para atrair mais clientes e, consequentemente, gerar um maior apelo de vendas. É uma área intimamente ligada à gestão.
Diante da força da internet nos dias atuais, é fundamental que se desenvolvam estratégias de marketing digital, com posts em redes sociais, sites que possibilitem compras, descontos e avaliações on-line, blogs que tragam informações pertinentes ao cliente, entre tantas outras ferramentas.
Uma excelente estratégia de marketing, que vai gerar benefícios tanto para o estabelecimento quanto para o cliente, é, em um primeiro momento, não oferecer diretamente um produto. O gestor deve investir na criação de um relacionamento com a clientela. Isso deve se dar da seguinte forma:

  • trazer informações ao consumidor sobre os benefícios dos produtos e medicamentos ali comercializados;

  • oferecer dicas sobre qualidade de vida;

  • escrever artigos que levem o cliente a se interessar sobre determinado assunto;

  • fornecer espécies de avaliações gratuitas em um primeiro momento, entre outros.

Dessa maneira, as relações entre a empresa e o cliente podem ser encurtadas e a farmácia acaba por ganhar a confiança do consumidor para adquirir os produtos, o que passa por profissionais capacitados e itens de qualidade. As vendas tendem a ser em maior escala e ocorrem com maior frequência se seguidas essas práticas.

O farmacêutico pode prescrever medicamentos?

Há ainda muitas dúvidas e desinformação sobre qual profissional pode ou não prescrever medicamentos. Apesar de muitos ainda acharem que não, eles podem, sim, exercer essa função, desde que respeitadas algumas regras. Quem determina isso é a Resolução N. 586 de 29 de agosto de 2013, do Conselho Federal de Farmácia (CFF). A medida regulamenta e também resguarda a função de prescrição ao farmacêutico.
Com a medida, o profissional passa a ter o direito de “selecionar, iniciar, adicionar, substituir, ajustar, repetir ou interromper a terapia farmacológica” quando for necessário. De acordo com a resolução, “essa tendência surgiu pela necessidade de ampliar a cobertura dos serviços de saúde e incrementar a capacidade de resolução desses serviços”.
A resolução altera a ideia de prescrição como uma ação baseada na recomendação ao paciente. Ela passa a ter um entendimento mais amplo que pode incluir a seleção de opção terapêutica, a oferta de serviços farmacêuticos ou o encaminhamento para avaliação de outros profissionais da saúde.
Para poder exercer a função, o farmacêutico deve estar legalmente habilitado e ter registro no CFF. Ele deverá estar sempre atento para entender a necessidade de cuidado do paciente e respeitar os conhecimentos, habilidades e limites nas mais diversas áreas. O profissional, de acordo com a resolução, vai prescrever “medicamentos definidos em programas de saúde no âmbito dos sistemas públicos, em rotinas de instituições ou conforme protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas pré-estabelecidos”.
Dessa forma, a ideia da medida é favorecer o acesso e aumentar o controle sobre os gastos, “reduzindo, assim, os custos com a provisão de farmacoterapia racional, além de propiciar a obtenção de melhores resultados”. Veja a seguir algumas das regras que deverão ser obedecidas por eles.

Medicamentos permitidos

Se tiver o conhecimento necessário, o profissional de farmácia vai poder prescrever medicamentos industrializados, alopáticos, plantas medicinais, dinamizados e drogas vegetais. Ou seja, basicamente qualquer substância, desde que sejam legalizados o consumo e a comercialização no país.

Vantagens

Permitir que os farmacêuticos possam prescrever medicamentos traz benefícios para todos os envolvidos, principalmente para os pacientes que aguardam tratamento. Dessa forma, é possível aumentar a cobertura de atendimento da saúde, uma vez que o serviço poderá ser realizado em farmácias, além de consultórios, postos de saúde e hospitais.

Normas

Para prescrever um medicamento, o farmacêutico deve observar algumas regras básicas, como a nomenclatura dos produtos, assim como o sistema de pesos e medidas oficiais. O documento deve ser sempre escrito com uma letra clara para que o paciente possa entender o que está definido ali no papel.
A receita deverá trazer também o nome completo do paciente e o medicamento, com a descrição, via de administração, dose e instruções de uso, caso seja necessário. O farmacêutico também não poderá se esquecer de colocar o nome completo e o número de inscrição no Conselho Regional de Farmácia (CRF), junto com a assinatura e data do documento.

Fiscalização

A resolução amplia a atividade desses profissionais, mas estabelece uma forma de controlar a atividade para evitar irregularidades. O jeito mais eficaz de fiscalizar o trabalho do farmacêutico é por meio de denúncias, sempre com a apresentação de documentos que constatem a ilegalidade. Se for o caso, existem punições que podem ser aplicadas ao profissional, por exemplo, se for feita uma prescrição que vá além das competências dele.
As penalidades são variadas e podem ser apenas uma advertência, passando pelo pagamento de uma multa e chega, até mesmo, à suspensão da atividade profissional de três a 12 meses, dependendo da gravidade.

Quais os limites para que o farmacêutico prescreva medicamentos?

medicamentos controlados
Alguns medicamentos são controlados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e outros pela Portaria SVS/MS N. 344/1998 e as alterações. Portanto, esses produtos requerem a apresentação de uma receita de controle especial, fornecida por um profissional habilitado. O documento tem um período de validade específico e só pode ser usado dentro desse tempo, perdendo utilidade após isso.
Desse modo, as receitas devem ser apresentadas na farmácia no momento da solicitação de manipulação e precisam ficar retidas. E sempre que se necessitar de nova manipulação, outra receita deve ser fornecida pelo profissional habilitado.
A Resolução N. 586 de 2013, no entanto, amplia os limites do processo de prescrição farmacêutica. O profissional deve:

  • identificar as necessidades do paciente relacionadas à saúde;

  • definir o objetivo terapêutico;

  • selecionar as terapias ou intervenções relativas ao cuidado da saúde, com base na segurança, eficácia, custo e conveniência, dentro do plano de cuidado;

  • redigir a prescrição;

  • orientar o paciente;

  • avaliar os resultados;

  • documentar todo o processo de prescrição.

Há também outras resoluções importantes para a atividade do farmacêutico, como a que regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações dos serviços; a que estabelece as atribuições clínicas desses profissionais e a que define as boas práticas farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação, da comercialização de produtos e da prestação de serviços.

Como escolher uma boa farmácia de manipulação?


Apesar de a fiscalização ser rigorosa, ainda assim é importante ter atenção na hora de escolher uma boa farmácia de manipulação. Desde 2008, elas são obrigadas a enviar semanalmente informações sobre remédios controlados, por exemplo. Os relatórios incluem:

  • nome e CRM do médico;

  • dados do paciente;

  • nome do produto;

  • posologia;

  • lote do produto aviado.

Embora o cerco tenha se fechado cada vez mais sobre quem não cumpre as regras, ainda é possível encontrar locais que conseguem burlar a prestação de informações à Anvisa. Mas quando se trata de saúde, não dá para ser negligente. Por isso, fique de olho para não cair em armadilhas! Veja como observar a qualidade de um estabelecimento.

Pergunte se o farmacêutico está presente

farmacêuticos
Se a farmácia está aberta, significa que precisa haver um farmacêutico para atender você. De acordo com a Lei nº 5.991/73, ele deve estar presente durante todo o horário de funcionamento, caso contrário o estabelecimento está funcionando fora das regras. Pergunte se o profissional está por ali antes de solicitar o serviço. Se ele não estiver, procure outra farmácia.

Verifique se os alvarás estão expostos

farmácia de manipulação
Toda farmácia de manipulação precisa ter o alvará de funcionamento em dia, o alvará sanitário e a Certidão de Regularidade do Conselho Regional de Farmácia em locais visíveis para todos. Assim que entrar em uma, procure por esses documentos nas paredes. Afinal, eles são a garantia de que o local cumpre as regras. Se não estiverem, você pode pedir ao responsável que te mostre a documentação.

Desconfie de medicamentos prontos

farmácia de manipulação
Algumas farmácias podem oferecer os medicamentos que você precisa já manipulados. Nesses casos, é melhor desconfiar sempre. É importante fazer o tratamento de acordo com a indicação receitada pelo seu médico, respeitando as quantidades. Isso porque algumas variações na fórmula podem fazer diferença no final. Por isso, insista em comprar produtos manipulados feitos sob medida para você e não aceite produtos pré-fabricados.

Pergunte sobre a tecnologia utilizada

farmácia de manipulação
Sistemas computadorizados de pesagem são um diferencial importante para garantir a exatidão da receita prescrita pelo médico. Quando as farmácias dispõem dessa tecnologia, a manipulação tem menos chance de sair com erros. Isso porque a balança é atrelada a um sistema digital que só permite acrescentar a quantidade certa de medicamento ao produto.
Esses sistemas também conseguem impedir erros humanos, como a confusão entre nomes de substâncias parecidas, uma vez que as matérias-primas são identificadas por códigos de barras. Procure se informar sobre a tecnologia utilizada nas lojas que você costuma ir. Fique sempre alerta!

Busque recomendações

farmácia de manipulação
É fácil para você descobrir se existe algum problema com a reputação de uma farmácia de manipulação ou não. Está a apenas um clique de distância. Pesquise sobre a empresa na internet, converse com pessoas que também fazem o uso de medicamentos manipulados e pergunte ao seu médico sobre as boas farmácias da sua região. Ele terá algumas dicas preciosas para você.

Avalie os preços

Apesar de os medicamentos manipulados serem mais baratos, é importante desconfiar de preços muito baixos. Valores muito abaixo da média são atrativos, mas podem demonstrar falta de rigor na compra e conservação de matérias-primas. Preços muito altos também são um mau sinal. Eles podem sinalizar que o estabelecimento tem uma prática abusiva e de má fé com o cliente.
Com essas dicas, você pode se sentir preparado para escolher uma boa farmácia de manipulação. Afinal, nem todas elas têm controle de qualidade dos produtos manipulados e precisão na identificação da matéria-prima adequada. O controle vai estar com você. Pesquise, converse com os farmacêuticos e siga os passos que você aprendeu neste artigo. Assim, não tem erro!
Se você ficou interessado no assunto, entre em contato conosco e conheça um pouco mais sobre o nosso serviço.

André Alves da Silva

Criador da nutrição esportiva em farmácias de manipulação no Brasil. Sócio e CEO da Órion Farmácia de Manipulação Esportiva.

Deixe uma resposta